Pec Pecuária de resultado

Dicas Especiais

Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

Mastite

Mastite é a definição dada a toda e qualquer inflamação com origem na glândula mamária dos animais, geralmente de origem infecciosa. A mastite é uma das principais doenças responsável por perdas econômicas no setor leiteiro, pois está ligada à queda na produção e da qualidade do leite. A origem da mastite tem grande relação com a falta de higiene, com a saúde da glândula mamária dos animais e até mesmo com a falta de conhecimento do pessoal envolvido na produção.

Existem várias classificações para as mastites, a principal delas diferencia os casos em clínica e subclínica. A mastite conhecida como clínica é aquela em que os sintomas clássicos de inflamação são bem visíveis, podendo o animal apresentar inclusive sinais sistêmicos. Já a mastite subclínica é a que mais causa prejuízos, pois o animal não apresenta sintomas visíveis e ela acaba passando despercebida.

Vários fatores podem predispor o aparecimento da mastite:

  • Estágio de lactação
  • Idade
  • Ordenha
  • Manejo e higiene
  • Resposta Individual

As mastites contagiosas são aquelas nas quais a transmissão dos agentes causadores pode estar ligada a manipulação dos tetos. Entre os organismos responsáveis por esse tipo de mastite temos o Streptococcus agalactiae, Staphylococcus aureus e Corynebacterium bovis.

As mastites ambientais têm sua transmissão ligada ao local de criação dos animais. Os principais patógenos nesse caso são, o Streptococcus (com excessão do S. agalactiae), Escherichia coli, Klebsiella e Enterobacter, estes estão presentes no solo, na água, nas fezes e em qualquer material orgânico.

Diversos itens devem ser considerados para o controle e prevenção da mastite, tais como:

  • Treinamento do ordenhador
  • Teste da caneca de fundo preto
  • Descarte do leite de animais acometidos
  • Pré e pós-dipping
  • Higiene de equipamentos
  • Uso de antibióticos

O diagnóstico das mastites é realizado com base em alguns pontos importantes:

  • Sinais clínicos: úbere apresenta-se inflamado, com aumento de temperatura, aumento de volume e dor no local.
  • Caneca de fundo escuro: consiste na ejeção dos 3 primeiros jatos de leite de cada teto em uma caneca de fundo preto, de forma que se possa realizar a avaliação das características do leite.
  • CCS: contagem de células somáticas presentes no leite (CCS) que são a soma da contagem das células de defesa do organismo junto com as células de descamação do epitélio, sendo o limite de 200.000 a 300.00 células/mL.
  • CMT: é um teste muito simples e prático. Baseia-se na reação do leite com o reagente de CMT, o resultado deve ser interpretado de acordo com o grau de gelatinização da mistura, quanto maior essa gelatinização, maior o número de CCS.
  • Análise Microbiológica: coleta de amostras, enviadas para laboratório para determinar especificamente qual ou quais microrganismos que estão sendo responsáveis pela mastite.
  • Antibiograma: uma vez determinado o microrganismo que está causando a mastite podemos determinar a quais antibióticos esse microrganismo é sensível.

Soluções Biovet

Quallyxine
Oxitetraciclina 20%
Fortecilin
Fortecilin Plus 

Voltar